Apresentação pública da nova Formação de Professores (TIC)

jlr “Competências TIC. Estudo de Implementação”. Vol. 1 [PDF – 21,8 MB] Download (I Edição, prevê-se a 2.ª Edição, em Janeiro) .

Aconteceu esta tarde no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Apresentação feita pelos autores do novo modelo. Presença de CFAES (Centros de Formação de Associação de Escolas) e alguns Centros de Competência.

Do seu sucesso depende o sucesso do Plano Tecnológico para a Educação. João da Mata (PTE) dixit. É verdade.

Contempla formação de formadores e formação de professores. Não poderia deixar de ser. Uma e outra devem ser contínuas e continuadas…

De notar que foi com a Equipa Computadores Redes e Internet nas Escolas (ECRIE) que houve pela primeira vez formação de formadores em Portugal. O mesmo aconteceu em relação à formação balizada por um referencial. Repete-se agora, por esta via.

Destacar a obrigatoriedade de toda a formação TIC incluir obrigatoriamente a temática da segurança na Internet, dá-se assim continuidade à formação de formadores feita recentemente nesta área (360 formadores formados de norte a sul do país) e promovida pela Equipa RTE (ex ECRIE) da DGIDC.

Pessoalmente parece-me que a questão da formação de professores é um imenso puzzle por construir… não basta a formação, por melhor que seja, ajuda muito, mas não basta. Outras medidas complementares e a outros níveis devem ser tomadas de forma articulada e visando objectivos concretos. Não se pode estar sempre a (re)começar. A imagem das roda(s) dentada(s) é ilustrativa.

Já o tenho dito repito-o. Não há compartimentos estanques, no saber nem na sociedade. Os currículos das universidades para os cursos da via educacional e não só, deveriam ser revistos. A formação de professores tem que se aplicar aos professores universitários. (Veja-se o plano francês). Os futuros professores não podem continuar a chegar à escola sem as competências mínimas exigíveis na área das tecnologias da educação. Com este estado de coisas teremos que estar sempre a recomeçar. Para que a situação mude não basta mudar currículos… será preciso mudar práticas e pôr as universidades a trabalhar para a sociedade do século XXI. Com a Rede e para a Rede e, neste aspecto, estão atrás do básico e secundário. É uma falha que custa(rá) caro ao país. (…)

A formação não pode (até pelo que digo atrás sobre a Universidade) ser datada. Isto é, cursos, oficinas de 25h, de 30h… tem de ser continuada, e sempre contextualizada com as actividades de sala de aula. O professor tem de a ver, de a encarar, como útil e facilitadora para a sua actividade quotidiana com os alunos. Só assim se apropriará do saber e do saber fazer inerente, indispensável e conducente à tão desejável quão indispensável mudança de atitude, em relação à tecnologia.

(Continua) 🙂

fc

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1351450

http://www.planotecnologico.pt/NewsPage.aspx?idCat=33&idMasterCat=30&idLang=1&idContent=2169&idLayout=6&site=planotecnologico

Anúncios

Sobre Jorge Borges

Professor.
Esta entrada foi publicada em Educação, Formação, Portefólio pessoal, Segurança na Internet, TIC. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s