“A segurança cada vez preocupa mais”

ENTREVISTA: RAJIV DUTTA PRESIDENTE DO PAYPAL

Paypal, presidente

A empresa de pagamentos pela Internet propriedade do eBay já está presente em 190 países

Desde que entrou para o eBay, o portal de compras pela Internet, em 1998, Rajiv Dutta desempenhou vários cargos no grupo, incluindo o de presidente do serviço de voz Skype. Nova Iorquino de origem india, Dutta preside agora à empresa de pagamentos PayPal, adquirida pelo grupo em 2002. Desde então, a PayPal cresceu e agora está disponível em portais de empresas como o Harrod’s, Lladró ou Correos. Presente em 190 países e disponível em mais de 70 divisas, a empresa regista 100.000 novas contas por dia e 16.000 semanais em Espanha.

Pergunta. Como cresceu o mercado de compra online desde que se criou o PayPal?

Resposta. O PayPal tem uns sete anos e eBay adquiriu-o faz cinco, em Outubro de 2002. Desde então, o comércio online converteu-se num negócio bastante grande: o negócio global movimenta uns 500.000 milhões de dólares. Mas o certo é que sempre suspeitei um pouco destes números.

P. Porquê?

R. Há muitos pagamentos que não se incluem. Por exemplo, cada vez se utiliza mais a Internet para pagar serviços governamentais e para compras em portais de anúncios classificados. Curiosamente, estas cifras tão pouco incluem as do eBay. Mas em linhas gerais, o comércio online cresceu de modo significativo, continua aumentando em torno dos 20% anuais e o crescimento é maior aqui na Europa que nos Estados Unidos.

P. Porquê é maior na Europa?

R. Há dois motivos. Um é que partimos de uma base mais pequena. Outro é que em muitos países o comércio online acrescenta muito valor para o consumidor, porque as lojas têm um horário muito limitado. Portanto, o crescimento varia um pouco por países mas eventualmente, na maioria dos países, o comércio online suportará uma grande parte da economia.

P. Quando?

R. Dentro de algum tempo. Agora, o ritmo de crescimento estabiliza, em alguns casos mais rapidamente do que se poderia esperar. Isso deve-se a que os consumidores cada vez se preocupam mais com a segurança da sua informação na Internet. Portanto, o mercado movimenta enormes quantias, mas há algumas coisas que se poderiam fazer para que crescesse mais depressa.

P. Como quê?

R. Fica-me mal dizê-lo, mas creio que o PayPal é parte da solução. Quando um consumidor abre una conta connosco, introduz os seus dados e a informação financeira do instrumento financeiro que queira usar. Para pagar algo num portal que aceita PayPal, só tem que registar-se na sua conta PayPal. Não tem que revelar o seu número de cartão nem teclar os seus dados uma e outra vez. Existe una crescente ansiedade pela segurança de que beneficiamos.

P. Ia-lhe perguntar sobre o acordo de segurança que acaba de estabelecer com o correio do Yahoo…

R. Isso é algo um pouco diferente. No princípio do ano passado descobrimos que muitos delinquentes mandavam mensagens electrónicas em nosso nome pedindo informação, é o que se chama phishing. Actuámos e conseguimos reduzi-lo consideravelmente. Ao mesmo tempo, fizemos um acordo com o Yahoo que assina digitalmente o nosso correio. Assim, se alguém pretende fazer-se passar pelo PayPal através do correio do Yahoo, o Yahoo filtra-o.

P. E para além do acordo com o Yahoo?

R. Também temos estado a trabalhar com a Microsoft para o novo explorador (browser) da Internet. Fazemos muitas coisas, mas com o Yahoo é o primeiro acordo de correio electrónico que temos feito e faremos muito mais.

P. PayPal acaba de incluir as transferências bancárias entre as suas opções de pagamento. Que acrescenta de novo?

R. É algo que acaba de lançar-se en Espanha porque a equipo local detectou que os consumidores espanhóis estão acostumados a pagar com transferências bancárias. Em cada país, tentamos identificar que tipo de pagamento se utiliza mais. Por exemplo, nos Estados Unidos, o método de pagamento por excelência é o cartão de crédito, e em Itália é muito comum utilizar os cartões de pré-pago.

P. Quais são os seus principais mercados?

R. O nosso mercado mais amplo é o dos Estados Unidos. O segundo é o Reino Unido e o terceiro é a França. No total, o PayPal tem 164 milhões de contas. À volta de 40 milhões delas são europeias e é a região do nosso mercado que cresce com mais rapidez.

P. E os prioritários para crescer?

R. Queremos continuar a crescer nos Estados Unidos, onde há muitas oportunidades, e é absolutamente crítico que impulsionemos a nossa presença na Europa. O Reino Unido, França, Itália e Espanha são os nossos mercados chave na Europa.

P. Quais são as prioridades da companhia?

R. A prioridade número um para 2008 é expandir a disponibilidade do PayPal no maior número de portais possível. O segundo objectivo é que temos que continuar a trabalhar muito para melhorar a experiência do consumidor de PayPal, aumentando a sua facilidade de uso e acrescentando modos de pagamento, como as transferências bancárias.

P. E quanto a expandir a disponibilidade, há sectores que têm mais interesse?

R. Decidimos estar presentes através de varias indústrias. Temos que assegurar-nos, por exemplo, que não estamos só nos bens electrónicos, mas também nas companhias aéreas. O nosso objectivo é que nos sectores chave de consumo que existem em cada país estejamos presentes nas duas ou três empresas mais importantes.

P. É difícil convencer as empresas?

R. Ao princípio foi porque ninguém conhecia o PayPal. Agora é muito mais fácil porque temos uma base de consumidores muito grande. No Reino Unido, um de cada dois compradores online tem uma conta PayPal. Em França e em Espanha é um de cada três. É um número enorme e constitui um argumento muito forte. Para além disso, podemos provar às companhias que quando integram o PayPal os seus volumes de venda crescem.

P. Como?

R. Os utilizadores do PayPal são os compradores mais activos na Internet. E quando chega o PayPal, ao transmitir mais tranquilidade com a segurança, provoca maior tendência para comprar. Dependendo da companhia, podemos demonstrar que entre os 40% e os 50% dos utilizadores comprarão coisas que de outro modo não comprariam.

Ver fonte.

Saber mais.

Anúncios

Sobre Jorge Borges

Professor.
Esta entrada foi publicada em Entrevistas, Formação, Internet, Segurança na Internet, Sociedade da Informação, Web. ligação permanente.

Uma resposta a “A segurança cada vez preocupa mais”

  1. do you know any information about this subject in other languages?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s