A aprendizagem mediatizada (apontamentos)

ensino_mediatizdo

Pensa-se que a melhor maneira de os alunos obterem resultados é memorizando ou mecanizando processos de aquisição do conhecimento (Moran, 2004); uma realidade que se agudiza mais com a existência de exames que solicitam informações (acabadas). Omitindo outras competências que, sem dúvida, ante esta sociedade da informação, são igualmente importantes. O conhecimento não se constitui como tal, se não é útil para o aluno no seu contexto imediato. Se não for assim será só informação isolada, fazendo com que o ensino se considere uma simples transmissão de conteúdos(Saint-Onge, 2000).

 

 

  • O equívoco das aprendizagens significativas começa quando estas estão realmente próximas dos alunos (ideias prévias- conhecimento novo). Reconhece-se que quanto mais memorizado e isolado seja um conteúdo, mais fácil será de esquecer. O conhecimento não se transmite, constrói-se, e é aí que exemplos como a Enciclomedia se constituem como recursos fundamentais, já que propiciam diversas situações para a aprendizagem baseada em posturas construtivistas e cognitivas.

 

 

  • Para tanto o professor não dependerá da apresentação de um vídeo ou de uma animação para que o aluno de maneira automática possa compreender o conteúdo (suposição válida tradicionalmente quando o professor acreditava que os alunos aprendiam através da sua exposição oral); os recursos do programa é que constroem situações de aprendizagem e é o professor que deve potenciá-las.

 

 

  • Quer dizer que o computador e o software não são, por si só, garantia de aprendizagens significativas pelo que nos recorda que o papel do docente ganha importância, ao desenvolver-se como mediador entre a informação, o recurso e o aluno.

 

 

  • Como se entende desde a psicologia cognitiva os meios só transmitem informação e fazem de mediadores entre a realidade e os sujeitos, enquanto que ao mesmo tempo nos seus sistemas simbólicos desenvolvem habilidades cognitivas específicas nos sujeitos (Cabero, 1997).

 

 

  • O papel do professor deve estar centrado em organizar a aprendizagem do estudante mais do que em planificar o discurso do professor (Segovia, 2003, 39).

 

 

  • O ensino é um processo de construção cooperativo e, portanto, os alcances do pensamento reflexivo e crítico conseguem-se na sala de aula com os sujeitos implicados (Litwin, 2002, 80).

 

 

As novas tecnologias de maneira nenhuma serão a panaceia dos problemas educativos, mas podem, devem, potenciar situações de aprendizagem que não se limitem à aquisição (acumulação) do conhecimento.

Suporte bibliográfico

Sobre pedagogia mediatizada.

Tese de mestrado: Ambientes Virtuais de Aprendizagem.

Anúncios

Sobre Jorge Borges

Professor.
Esta entrada foi publicada em Brecha Digital, Educação, Formação, Portefólio pessoal, Sociedade da Informação, tecnologia, TIC, Web. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s